Coluna

Como Prado, no sul da Bahia, fatura com turismo gastronômico mesmo na pandemia

A temporada de baleias-jubarte acaba de começar em Prado , no extremo sul da Bahia , e o interesse pelos passeios aumentaram 15% em comparação com o ano passado. Mas o turismo de destino, que entrou em colapso na maior parte do Brasil durante uma pandemia, não desaqueceu nessa cidade litorânea por outro motivo: pousadas e restaurantes  miraram não diferencial gastronômico viajantes de curta distância de cidades vizinhas e do Espírito Santo, que fica a cerca de 300km de carro.

+ Veja mais destaques da colunista Paty Moraes Nobre
+ Aprenda a “transformar” caroço de abacate em trufa, iguaria mais cara que ouro

Conferimos de perto como os empresários do município, que reúne as praias Novo Prado, Coqueiral, Tororão, Japara e Praia da Paixão, por exemplo, apostaram em campanhas para atrair casais de regiões próximas em busca de boa comida e tranquilidade. “Como a região é rica em recursos diversos, incluindo frutos do mar, a estratégia foi um sucesso”, festeja Daniel Gonçalves dos Santos, do receptivo Catavento Tour . Responsável pelos pacotes turísticos e, inclusive, os famosos passeios para Abrolhos, o agente é um dos primeiros a sentir a melhora no movimento da cidade.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Paty Moraes Nobre (@patymoraesnobre)


Entre março e maio de 2020, a empresária Maria Venturelli, da Pousada Casa de Maria , sentiu a retração no faturamento e se viu obrigada a fechar as portas temporariamente pelas restrições da pandemia. Nesse período, mesmo com as adversidades impostas, conseguiu manter os 22 funcionários e fazer reformas, como instalação de placas de energia solar, que deram sequência ao investimento em práticas sustentáveis, e a construção de uma sauna nova.

Enquanto remarcava reservas, ela ainda mantinha as postagens no perfil do Instagram para manter os seguidores entusiasmados com as delícias de sua cozinha – como o famoso café da manhã com iguarias regionais e os pratos de peixe, risoto e moqueca com camarões. “Nos meses seguintes, quando pude reabrir, já tinha novas reservas. E continua assim até hoje”, comemora Maria Venturelli, que segue todos os protocolos sanitários de segurança. 

 

Nesta nova fase, a empresária investe ainda mais no menu, criando novas receitas sem lactose nem glúten e adicionando ao cardápio saborosos pratos, como Medalhão ao molho roti, arroz de brócolis e purê de batata (ou legumes grelhados ou batata souté) e Peixe grelhado ao molho velouté (ou cítrico) com arroz de brócolis e batata souté. Com seu estilo intimista e reservado, a pousada não recebe crianças e é pet friendly, atraindo casais dos mais diversos lugares do Brasil, inclusive com alta procura do público LGBTQIA+.

“Estão vindo a Prado pessoas com poder aquisitivo melhor, inclusive. O ganho tem sido geral”, complementa Marcia Marques, proprietária do restaurante Banana da Terra , localizado na esquina mais badalada do Beco das Garrafas. Natural de Prado, Marcia abriu o estabelecimento na mesma rua onde brincava na infância e surpreende com as receitas e drinques que ela mesma inventa com ingredientes regionais. Destaque para o peixe local Budião grelhado ao molho de biri-biri e alho com risoto de camarão e banana da terra, o prato de Lagostas com alcaparras (foto destaque) e a sobremesa Punheta de anjo, um bolinho de estudante com cocada deliciosamente suculento.

Ao lado ainda tem a casa especializada em carnes premium e picanha angus Armazém e o imperdível Jubiabá, do chef Luiz Azevedo, com o melhor da alta gastronomia.

O novo cenário turístico rendeu até para a Cabana da Preta, que construiu um excelente espaço pé na areia com distanciamento entre as charmosas mesas. O Bolinho Gabriela, feito com massa de banana da terra e recheado com carne seca, e a panela de Caranguejo especial, são boas pedidas para compartilhar. As caipirinhas de pitaya e pitanga são peerfeitas para refrescar nos dias mais quentes.

Na praça central, o Belo Café reúne outra ótima história de empreendedorismo local: para pagar a faculdade de Direito, a jovem Camila Chaves Veiga começou a vender bolos. O negócio deu tão certo que ela ampliou o imóvel da avó e fez do quintal um dos espaços mais encantadores e ‘instagramáveis’, ou seja, repleto de oportunidades para boas fotos, com frases inspiradoras nas paredes e objetos retrô, como um orelhão vermelho. Atualmente, são mais de 20 tipos de doces e o café coado traz uma surpresa: um coador de papel com uma inscrição bem divertida, mas não vou dar esse spoiler aqui. Tem que ir lá provar!

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Paty Moraes Nobre (@patymoraesnobre)


O que posso adiantar é que a cidade de cerca de 28 mil habitantes se tornaram um grande exemplo de como juntar quadro para driblar momentos de crise. Recentemente, o prefeito Gilvan Santos, nascido em Prado, aderiu ao projeto Cidade Empreendedora, uma iniciativa em parceria com o Sebrae-BA, que deve privilegiar produtores e empresários locais. “O objetivo é conectar o dono de um pequeno negócio às oportunidades, promovendo um desenvolvimento empreendedor mais amplo em nosso município”, finalizou.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Garçonete demitida por ciúmes agora fatura com fotos sensuais
+ Chef Henrique Fogaça fecha restaurante no RJ e demite 200 funcionários
+ Torta de sorvete é sobremesa para fazer no fim de semana