Noticias

Madero volta a registrar prejuízo e dívidas chegam a quase R$ 1 bilhão

Foto: Madero
Foto: Madero

O Grupo Madero anunciou na noite desta quinta-feira que registrou prejuízo líquido de R$ 115,2 milhões até setembro de 2021. Por causa do resultado negativo, a empresa responsável pelas redes Madero e Jeronimo decidiu adiar a abertura de capital na B3, a bolsa de valores brasileira.

+Grupo Madero busca sócio para evitar falência
+Bolsonaristas fazem campanha para rede Madero não quebrar
+Com dívidas “substanciais”, rede de restaurantes Madero pode fechar

No início de agosto, o grupo registrou um pedido de oferta de ações junto à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), na tentativa de buscar recursos para pagar dívidas e expandir os negócios.

“O Grupo Madero em seu plano estratégico, possui a meta de realizar um IPO (oferta inicial de ações) assim que o mercado de capitais apresentar condições para a realização de uma operação nos parâmetros que a companhia entender adequados”, afirmou a companhia no balanço de resultados divulgado ontem.

O grupo de restaurantes também informou que as dívidas estão sendo negociadas por meio de parcerias com grandes instituições financeiras. “As ações já tomadas e aquelas que estão em fase final de desfecho darão à companhia as condições para honrar todos os compromissos nos próximos 12 meses.”

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, a dívida líquida do Madero chegou a R$ 981,1 milhões em setembro de 2021, aumento de 80,5% na comparação anual. A dívida cresceu por causa da pandemia de coronavírus e pela estratégia de expansão do negócio.

“As restrições impostas ao setor de restaurantes estão mudando rapidamente e, mesmo que atualmente a maioria dos Estados de atuação da companhia esteja em processo de liberação das restrições de forma gradual ou até total, como é o caso do Estado de São Paulo, principal mercado do Grupo Madero, não podemos garantir que novos impactos não voltem a surgir”, acrescentou a empresa.

Polêmica

Apoiador assumido do presidente Jair Bolsonaro, Durski minimizou a gravidade da pandemia de coronavírus. Em março de 2020, ele publicou um vídeo no qual afirmou que a economia não deveria parar por causa da “morte de 5 mil ou 7 mil pessoas”. Até o momento, o Brasil registra cerca de 612 mil mortes relacionadas à covid-19.

“O país não pode parar dessa maneira. O Brasil não aguenta. Tem que ter trabalho, as pessoas têm que produzir, têm que trabalhar. O Brasil não tem essa condição de ficar parado assim. As consequências que teremos economicamente no futuro vão ser muito maiores do que as pessoas que vão morrer agora com o coronavírus”, disse o empresário.

(*) Da redação da Menu

Saiba mais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Por causa de dívida, mulher joga gasolina e ateia fogo em idoso
+ Como limpar capinha de celular transparente de 5 maneiras
+ Cientistas descobrem as causas da progressão do Alzheimer no cérebro
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio