• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Revista Menu
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Receitas
  • Últimas
  • Comidas
  • Bebidas e Drinks
  • Menu Testa
  • Siga-nos:Facebook
Notícias21/07/2022

Brasileiros já trocam arroz e feijão por coxinha para economizar

Brasileiros já trocam arroz e feijão por coxinha para economizar (Foto: iStock)

Brasileiros já trocam arroz e feijão por coxinha para economizar (Foto: iStock)

Pedro Marques
Texto por:Pedro Marques21/07/22 - 11h02min

Sem previsão de trégua para o trabalhador, a inflação dos alimentos têm levado os brasileiros a se alimentar cada vez pior. Além de situações como vendas de ossos, peles de frango e outros itens que antes eram jogados fora ou doados aos clientes, agora os brasileiros estão trocando o arroz e feijão do dia a dia por lanches quando é preciso se alimentar fora de casa.

+Entenda por que está faltando chocolate nos supermercados
+Venda de sobras é ‘forma criativa de mostrar alternativas’, diz associação de supermercados
+Vídeo: Ação em supermercados culpa Bolsonaro pela inflação dos alimentos

De acordo com pesquisa feita pela consultoria Kantar e divulgada pelo UOL, mais de 50% dos entrevistados afirmaram que as refeições fora de casa caíram 25% na comparação entre o primeiro trimestre de 2022 e o mesmo período em 2020. Ao mesmo tempo, aumentou o consumo de lanches (3,9%) e caiu o consumo de refeições completas (-3,3%).

A principal explicação é a alta dos preços da. A opção por pastéis, hambúrgueres, salgados e cachorros-quentes se dá porque esses alimentos custam, em média, um quarto do preço de um prato de comida em um restaurante.

Segundo o estudo, os brasileiros gastam cerca de R$ 10 para comer um sanduíche ou salgado na rua. Já para fazer uma refeição completa fora de casa na hora do almoço, o valor é mais de quatro vezes superior: o custo médio registrado foi de aproximadamente R$ 44.

O resultado dessa troca é o que se chama de insegurança alimentar leve, que é quando as pessoas passam a se alimentar com produtos de qualidade inferior por estarem preocupados se haverá comida na mesa nos próximos meses. No Brasil, hoje há pelo menos 60 milhões de pessoas nessa situação.

"Não dá para você trocar uma refeição por uma empadinha", afirmou ao UOL Rodrigo Kiko Afonso, diretor-executivo da Ação da Cidadania Contra a Fome, a Miséria e Pela Vida.

Resumindo: o brasileiro prefere comer mal, mesmo com impactos em sua saúde, para economizar e garantir que poderá comer no dia seguinte. Não vai demorar muito para aparecer gente vendendo o almoço para poder jantar.

(*) Da redação da Menu

Saiba mais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Por causa de dívida, mulher joga gasolina e ateia fogo em idoso
+ Como limpar capinha de celular transparente de 5 maneiras
+ Cientistas descobrem as causas da progressão do Alzheimer no cérebro
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
Como a inflação influencia nos mercados alimentares?