• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Revista Menu
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Receitas
  • Últimas
  • Comidas
  • Bebidas e Drinks
  • Menu Testa
  • Siga-nos:Facebook
Carnes07/07/2022

França proíbe a comercialização de ‘carne’ à base de plantas com nomes de bife, bacon ou salsicha

França proíbe a comercialização de 'carne' à base de plantas com nomes de bife, bacon ou salsicha. (Foto: Divulgação/Fazenda Futuro).

França proíbe a comercialização de ‘carne’ à base de plantas com nomes de bife, bacon ou salsicha. (Foto: Divulgação/Fazenda Futuro).

Luana Chinazzo
Texto por:Luana Chinazzo07/07/22 - 12h26min

Um novo nome terá que ser criado para “carnes” feitas à base de plantas na França. Isso porque, na semana passada, o país tornou- se o primeiro da Europa a proibir o uso de palavras que descrevem carnes ou peixes – como “bife” – de serem usadas para os substitutivos vegetais. A exceção é o "hambúrguer", que ainda é permitido pelas novas leis de rotulagem.

+McDonald’s anuncia chegada do McPlant, burger de carne vegetal
+Nos EUA, 40% das crianças acreditam que bacon e salsicha são plantas

“Não será possível usar a terminologia específica do setor tradicionalmente associada à carne e peixe para designar produtos que não pertencem ao mundo animal e que, em essência, não são comparáveis”, disse o decreto oficial do país. 

A decisão foi comemorada como uma vitória pela indústria de carne francesa. "Saúdo a adoção deste decreto, que constitui um passo essencial em favor da transparência da informação ao consumidor, bem como a preservação de nossos produtos e know-how", declarou Jean-François Guihard, presidente da Associação Nacional Interprofissional da Pecuária e da Carne (INTERBEV). "A proteção das denominações de carne e seu marco regulatório é um assunto muito importante sobre o qual nossa [associação] vem se mobilizando há vários anos", acrescentou.

A nova regra é aplicável apenas a produtos à base de plantas fabricados na França. Os produtos lácteos à base de plantas já estão sujeitos a restrições semelhantes em toda a Europa, e as palavras "manteiga", "queijo" ou "leite" não podem ser usadas nos rótulos desses tipos de produtos. 

Como era de se esperar, produtores de alimentos baseados em plantas estão menos satisfeitos com a decisão do governo. "Você não verá nada mais delirante hoje", escreveu Nicolas Schweitzer, CEO da empresa plant-based La Vie no LinkedIn. "Depois de pressionar pela reindustrialização da França, o governo acaba de aprovar um decreto nos obrigando a realocar [...] Produzimos 100% na França e, portanto, estaremos entre os únicos penalizados nas prateleiras."

O Observatório Nacional de Alimentos Vegetais (ONAV), que promove dietas vegetarianas, ficou igualmente desapontado com o Decreto Governamental nº 2022-947. “Este decreto faz parte de uma lógica de proteção ampliada dos interesses econômicos do setor de carnes”, escreveu a organização em seu site.

"Enquanto especialistas em clima, profissionais de saúde e associações de consumidores pedem agora uma melhor regulamentação da comercialização e promoção de alimentos menos sustentáveis ​​e a promoção de opções mais saudáveis, corre-se o risco de dificultar e atrasar o desenvolvimento do setor vegetal na França, bem como a transição a alimentos mais saudáveis ​​e sustentáveis ​​com um componente vegetal mais forte”, afirmou o órgão.

O ONAV também argumenta que os consumidores já usam termos como "bifes, salsichas e nuggets" para descrever alimentos à base de plantas e que eles não se incomodam com eles - e, além disso, esses nomes servem para dar dicas sobre o sabor dos produtos, textura e métodos de preparação.

A decisão da França veio poucos dias depois que o governo da África do Sul aprovou uma proibição semelhante aos fabricantes de produtos sem carne usando nomes e terminologia "prescritos e reservados para produtos de carne processada". O Departamento de Agricultura, Reforma Agrária e Desenvolvimento Rural da África do Sul (DALRRD) também ordenou que sua Agência de Segurança Alimentar (FSA) apreenda quaisquer produtos à base de plantas nas prateleiras das lojas que usam termos "carnudos" agora proibidos.

Saiba mais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Por causa de dívida, mulher joga gasolina e ateia fogo em idoso
+ Como limpar capinha de celular transparente de 5 maneiras
+ Cientistas descobrem as causas da progressão do Alzheimer no cérebro
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
alimentos industrializados