• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Revista Menu
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Receitas
  • Últimas
  • Comidas
  • Bebidas e Drinks
  • Menu Testa
  • Siga-nos:Facebook
Blog da Paty Moraes Nobre06/06/2022

Sereno Cacau: Empresário deixa a Califórnia para fabricar chocolates no Ceará

Bruno Freitas. Foto: Gabriel Pacífico/Divulgação

Bruno Freitas. Foto: Gabriel Pacífico/Divulgação

Paty Moraes Nobre
Texto por:Paty Moraes Nobre06/06/22 - 13h18min

A história da Sereno Cacau começou há um ano, quando o empresário Bruno Freitas decidiu fabricar chocolates no Ceará. Para isso, teve que abrir mão da vida confortável que levava na Califórnia, nos Estados Unidos, e arrumar as malas para empreender do zero no Brasil ao lado de três sócios, os empresários Uerique Barbosa, Daniela Nascimento e Luciano Almeida .

Desde então, passou a produzir cerca de meia tonelada de chocolate por mês e distribuir os produtos por todo o país, além de negociar as barras para clientes do Canadá, Estados Unidos e Chile.

“Decidimos empreender com chocolate no momento em que conhecemos e entendemos o quanto ele é especial. Chocolate não é só um alimento doce ou intenso, mas, sim, um produto que leva no seu sabor, aroma e textura a essência da sua origem”, orgulha-se ele, que buscou amêndoas selecionadas que carregam certificados de origem, indicadores geográficos e a referência de qualidade de cacauicultores que possuem a responsabilidade ambiental.

“Trabalhamos com lotes de cacau do Sul da Bahia (Fazenda Alegrias). Nossos lotes de amêndoas de cacau possuem um sistema de codificação (QR Code) nas embalagens, onde podemos rastrear e acessar todas as informações referentes ao lote específico. É uma tecnologia de ponta, que amplia possibilidades de rastreabilidade das amêndoas, uma aliada da segurança alimentar, do respeito aos processos no âmbito socioambiental e do aumento do valor agregado ao produto”, comenta. 

A produção da Sereno Cacau é proveniente de um sistema conhecido como “Cabruca”, que é o cultivo de cacau sob as sombras das árvores nativas da Mata Atlântica, sem que haja desmatamento para o cacaueiro.

O chocolate começa a “nascer” na fazenda, onde o cacau é colhido, selecionado, fermentado e seco. Depois, na fábrica, passa por um processo minucioso de seleção, torra, refinamento no moinho de pedra, temperagem, moldagem e embalagem. “O resultado é um chocolate genuinamente brasileiro, aveludado e brilhoso, com textura que derrete na boca e sabor único e balanceado. Diferente da grande maioria dos chocolates comercializados hoje, os nossos não recebem aditivos, conservantes ou aromatizantes”, explica, sobre as barras de 80g, vendidas a R$ 21, e os tabletes de 15g, a R$ 6.

Siga a colunista no Instagram e no Twitter.

(*) Da redação Menu

Saiba mais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Por causa de dívida, mulher joga gasolina e ateia fogo em idoso
+ Como limpar capinha de celular transparente de 5 maneiras
+ Cientistas descobrem as causas da progressão do Alzheimer no cérebro
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
Bahia