• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Revista Menu
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Receitas
  • Últimas
  • Comidas
  • Bebidas e Drinks
  • Menu Testa
  • Siga-nos:Facebook
Notícias07/02/2022

Vendedores do Mercadão de SP ameaçam clientes com golpe da fruta

Vendedores do Mercadão de SP ameaçam clientes com golpe da fruta (Foto: Prefeitura de São Paulo)

Vendedores do Mercadão de SP ameaçam clientes com golpe da fruta (Foto: Prefeitura de São Paulo)

Pedro Marques
Texto por:Pedro Marques07/02/22 - 19h27min - Atualizado em 11/02/22 - 17h05min

Seja você morador da capital paulista ou turista, fica um alerta caso esteja pensando em visitar o Mercado Municipal de São Paulo, no centro da capital: cuidado com o "golpe da fruta"!

+Cresce falsificação de açafrão, o tempero mais caro do mundo
+Ministério da Agricultura suspende venda de 24 marcas de azeite irregulares
+Aprenda a identificar azeites falsificados ou com defeitos
+Aprenda a fazer 4 testes caseiros para descobrir se o mel é falsificado

A arapuca começa com os vendedores das bancas de frutas oferecendo, gratuitamente, seus produtos para os visitantes degustarem. Em seguida, eles pressionam e constrangem os clientes a comprar uma seleção de frutas por valores que podem chegar a R$ 500. Há casos de abacaxis vendidos por quase R$ 70, por exemplo.

O golpe não é exatamente uma novidade – pelo contrário – e é aplicado desde meados da década de 2000, de acordo com relatos. Mas o número de denúncias nas redes sociais, sites de viagem e outros canais de comunicação está crescendo consideravelmente.

Isso porque, segundo os consumidores, esses funcionários do Mercadão estão mais agressivos e chegam a ofender e ameaçar aqueles que se recusam a comprar as caras bandejas de frutas

Há até um perfil no Instagram dedicado a divulgar relatos anônimos de clientes que caíram no truque. Batizada de "golpe_do_mercadao_sp", a página já conta com 62 posts desde o dia 10 de janeiro, quando entrou em atividade.

Para evitar esse tipo de problema durante uma visita ao Mercadão, a orientação é perguntar sempre pelo preço dos produtos antes de efetuar o pagamento. E, caso discorde do valor cobrado, não é preciso finalizar a compra, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor.

Se o cliente chegar a ser ameaçado, ofendido ou agredido por algum vendedor, ele pode fazer uma reclamação formal com a administração do Mercadão, registrar queixa no Procon e até acionar a polícia, de acordo com a gravidade do incidente.

(*) Da redação da Menu

Saiba mais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Por causa de dívida, mulher joga gasolina e ateia fogo em idoso
+ Como limpar capinha de celular transparente de 5 maneiras
+ Cientistas descobrem as causas da progressão do Alzheimer no cérebro
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
pastel de bacalhau com batata